Cientistas desvendam por que leite materno tem moléculas de açúcar que bebês não digerem

Cientistas desvendam por que leite materno tem moléculas de açúcar que bebês não digerem

Fonte: BBC

O ser humano nasce com 3,5 kg e 45 cm de comprimento, em média. A partir daí, nas primeiras semanas de vida, é quando crescemos mais rápido: quase um centímetro por semana. E o único alimento que ingerimos para sustentar esse impressionante ritmo é o leite materno, que contém tudo que é necessário para o desenvolvimento de um bebê.

 

Para produzi-lo, o corpo da mãe precisa usar componentes de si próprio. Por exemplo, derreter a gordura que armazena, primeiramente dos quadris e das nádegas. Por isso, pode parecer estranho que um dos principais ingredientes do leite materno não possa ser digerido por humanos.

 

“O leite materno é tudo o que o bebê necessita nutricionalmente e muito mais”, destaca Bruce German, do Departamento de Ciência e Tecnologia Alimentícia da Universidade da Califórnia em Davis, nos Estados Unidos. “É repleto de água, proteínas, gordura, açúcar… Mas o surpreendente é que tenha uma enorme quantidade de oligossacarídeos complexos, que são totalmente indigestos para bebês.”

 

Os cientistas descobriram há mais de meio século que essas moléculas complexas de açúcar não são absorvidas pelo intestino e não têm nenhum benefício nutritivo, mas não sabiam explicar sua presença no leite materno. German e sua equipe se dedicaram a resolver esse enigma e a descobrir por que as mães produzem grandes quantidades dessas moléculas.

 

“Nossa hipótese era que, se essas moléculas não alimentavam o bebê, deviam alimentar outra coisa: bactérias”, diz German.

 

Proteção

Amostras de oligossacaerídeos foram entregues ao renomado microbiólogo David Mills. “Ele testou bactérias até encontrar uma que crescia com essas moléculas”, explica German.

 

A bifidobacterium infantis é a única que pode se alimentar dos oligossacarídeos do leite humano. Assim, deduziu-se que as moléculas indigestas estavam presentes nele para que essas bactérias pudessem crescer e florescer.

 

Um bebê vive em um ambiente estéril e protegido até o nascimento, quando começa a adquirir bactérias do seu entorno. O intestino delgado é particularmente suscetível a bactérias infecciosas patogênicas.

 

Assim, como essa bactéria floresce nos oligossacarídeos, o intestino delgado se enche de bifidobacterium infantis, cobre o intestino do bebê e impede que qualquer patógeno cresça. Ou seja, as mães literalmente recrutam outra forma de vida para cuidar de seus bebês após o parto.

 

Confira a íntegra desta matéria diretamente no site da BBC, através do link http://www.bbc.com/portuguese/geral-41639536

No Comments

Comments are closed.